Contact Information

Theodore Lowe, Ap #867-859
Sit Rd, Azusa New York

We Are Available 24/ 7. Call Now.

Cinema é sempre bom, melhor ainda quando podemos assistir a filmes nacionais e prestigiar algo que podemos fazer com tanta qualidade aqui no Brasil. Com assuntos mais próximos de nossa realidade, essas produções empregam muita gente e contribuem não só para a economia, como para a cultura. Ou seja, temos motivos de sobra para ficar de olho no que a indústria cinematográfica brasileira tem feito de melhor…

Nessa época do ano fica ainda melhor para curtir um cineminha, já que muitas escolas já entraram em férias, então é um período ótimo para os lançamentos. Para esse final de semana, selecionei 3 filmes incríveis que estão em cartaz nos cinemas de todo o país.

Chatô, o Rei do Brasil

Chato o rei do brasil

Finalmente, “Chatô, o Rei do Brasil” chegou às telonas. Além da trama, o filme em si tem uma longa história, cheia de babados e confusão. Após 20 anos de muitas indas e vindas, a obra dirigida pelo ator e diretor Guilherme Fontes e baseada no livro homônimo de Fernando Morais, se torna realidade. Na trama, o magnata das comunicações Assis Chateaubriand (Marco Ricca) é a estrela principal de um programa de TV chamado “O Julgamento do Século”, realizado bem no dia de sua morte. É nele que Chatô relembra fatos marcantes de sua vida, como os casamentos com Maria Eudóxia (Letícia Sabatella) e Lola (Leandra Leal), a paixão não-correspondida por Vivi Sampaio (Andréa Beltrão), como manipulava as notícias nos veículos de comunicação que comandava e a estreita e conturbada ligação com Getúlio Vargas (Paulo Betti), que teve início ainda antes dele se tornar presidente. Imperdível!

Califórnia

Califórnia Marina Person

Agora quero falar de uma galera com ideias e ideais, do mais novo trabalho da minha amiga querida e competente Marina Person, que encarou seu primeiro longa-metragem de ficção com “Califórnia”. Ela tem o cinema em seu DNA, já que é filha de Glauber Rocha, consagrado diretor de cinema, responsável por alguns dos clássicos do cinema nacional, como o inesquecível “Terra em transe”. “Apesar de não ser um filme autobiográfico, ele tem muitos elementos autobiográficos”, diz Marina em entrevista, que viveu a cena musical dos anos 1980 (quem não se lembra dela como VJ da MTV). “Tanto a Estela quanto o JM (personagens do filme), têm obsessões minhas: era fanática pelo Bowie, como a Estela, e louca pelo The Cure, como o JM. Mas é acima de tudo a ambientação da época”, explica. Tudo acontece no início dos anos 1980. Estela (Clara Gallo) é uma adolescente que vive os conflitos típicos da idade, de identidade, amizade e amor. Ela tem um ídolo, o tio Carlos (Caio Blat), jornalista musical que vive nos Estados Unidos, e seu maior sonho é visitá-lo na Califórnia, durante as férias. Os planos dela vão por água abaixo, no entanto, quando ela descobre que ele está voltando para o Brasil, magro, debilitado por consequência de uma doença sobre a qual a medicina apenas começava a se debruçar – a AIDS. Um filme cheio de sonhos, bem ao estilo dessa época. Quem viveu nos anos 1980/90, como eu, vai sentir uma emoção especial!

Tudo que aprendemos juntos

Tudo que aprendemos juntos lazaro ramos

Minha terceira dica é cheia de brasilidade, “Tudo que aprendemos juntos”, mais um trabalho impecável do meu amigo mega talentoso Lázaro Ramos.  O filme é dirigido por Sérgio Machado, que já trabalhou com Lázaro em “Cidade Baixa”, e assina o roteiro com Maria Adelaide Amaral (“A Casa das 7 Mulheres”) e Marta Nehring (“Eu, Eu, Eu José Lewgoy”). O texto é inspirado na peça “Acorda Brasil”, escrita por Antônio Ermínio de Moraes e baseada na história real do Maestro Baccarelli.  Laerte (Lázaro Ramos) é um talentoso violinista que, após frustradas tentativas de integrar a Osesp, se vê obrigado a dar aulas de música para uma turma de adolescentes de Heliópolis, uma das maiores comunidades de São Paulo. Nesse caminho, as dificuldades são muitas, mas o poder transformador da música e da amizade que surge entre eles faz com que o professor e os alunos encontrem um novo lugar no mundo. Com participações especiais de Criolo, Rappin’Hood e da orquestra da Osesp, claro! Uma prova que a oportunidade e a educação realmente transformariam o Brasil.  Vale o sonho! 

 

Programa garantido para o final de semana! #feitonobrasil #orgulho #cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *